Florestal

 Floresta é anossa vida

 

O sector florestal da Península Ibérica, é uma riqueza estratégica do ponto de vista ambiental, económico e social. Ao considerarmos a Península Ibérica como uma unidade dentro da UE, esta apresenta um total de 28.715.000 ha de carácter florestal,  sendo 48% da superfície dos dois países Portugal e Espanha, deixando a Península Ibérica em 4º lugar depois de países tão importantes como a Suécia, Finlândia e França.
A superfície florestal explorada na Península Ibérica, totaliza 8.852.000 ha (15% do território), menos que os países mais florestais mas bastante acima do resto da UE, da qual se extraem aproximadamente 25,5 milhões de m3 anuais.

O último INF, cujos resultados foram apresentados em 2013, revela que o eucalipto, passou a ser a primeira e principal ocupação florestal do continente em (27%), e que o sobreiro ocupa a segunda posição (23%), o pinheiro bravo (23%) passou de primeira espécie para terceira, de seguida a azinheira (13%). As restantes espécies ocupam (14%) da área florestal.

De acordo com o ICNF, a superfície florestal espanhola é constituída essencialmente pelo pinheiro-bravo (24,8%), pelo pinheiro-da-escócia (19,4%), pela faia europeia (8,5%), pelo eucalipto (8,1%), pelo castanheiro (2,9%) e pelo carvalho (2,6%).

Para além da componente ambiental, o sector florestal português no ano de 2003, assume também uma importância significativa numa perspetiva económica e social, criando no seu conjunto um VAB de aproximadamente 3.100 milhões de euros, representando cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) da economia nacional e representando cerca de 10% das exportações nacionais. A estrutura empresarial portuguesa na fileira florestal conta com algumas das mais representativas empresas europeias do sector.

A contribuição espanhola do sector florestal para o PIB nacional em 2008, sem incluir a indústria do mobiliário, foi de 0,82%, que é inferior à média europeia. A indústria da madeira e da cortiça representa 41,24%, a indústria de papel é 41,06% e silvicultura e exploração florestal a 17,69%. (INE. Contas Nacionaisda Espanha, 2008). De acordo com dados publicados pela organização empresarial CONFEMADERA em 2008, a totalidade do volume de negócios espanhola florestal de mais de 20 mil milhões de euros, sem contar com a área de papel e celulose que representam mais de 4.000 milhões de euros.

O emprego no setor florestal é caracterizado por alta sazonalidade do trabalho e uma escassez de mão-de-obra qualificada. O sector da floresta portuguesa, representa cerca de 113 mil empregos diretos ou seja 2% da população ativa. Em 2008, o número de empresas espanholas que faziam parte deste setor totalizavam em 36781, criando emprego direto a 312300 pessoas, em 2011, estes números reduziram em 30% e 20%, respetivamente.

O sector florestal compreende diversas áreas de trabalho, sendo elas, a exploração florestal nomeadamente os madeireiros, a indústria da peletização, a indústria das serrações, a indústria da pasta de papel, a indústria dos aglomerados e mdf’s e por fim a área da recolha de biomassa para a produção de energia.

O setor florestal tem um potencial de crescimento baseado no desenvolvimento da bioenergia e no consumo diferenciado de produtos florestais na Península Ibérica em comparação com outros países. Além disso, a arborização realizada nos últimos 50 anos permitem, no futuro, aumentar a produção de madeira.


Guerra HSM-forest LakoForest quadco

logo pronar steinert logo westeria ottospaleckstiftun

Zona Industrial do Salgueiro Lote nº 14 . Apartado 166
3534-909 Mangualde - Portugal  
Tel. (+351) 232 619 860
Fax (+351) 232 619 869  
E-mail: info@gruman.com
                                             GPS

                                             Longitude: W 007º 47' 38''
                                             Latitude: N 040º 36' 06''
                   
 

    

                                   
       SIGA-NOS

 youtube          face               

                          

           

 

Top of Page